Tradutor

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish
DEVIDO AO HISTÓRICO MANIFESTO NACIONAL DE 17/06/2013
O BLOG "WIKILEAKSAPOIO" VOLTARÁ COM AS POSTAGENS DIÁRIAS, VOLTADAS PRINCIPALMENTE PARA OS ATUAIS MANIFESTOS NO BRASIL E NOS PAÍSES QUE ESTÃO APOIANDO A CAUSA DA NAÇÃO BRASILEIRA!!!

#OGIGANTEACORDOU

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Quem é Julian Assange? (Parte 2)

Hacker

Com o surgimento da internet, entrou para o mundo da pirataria. Junto com outros hackers, em 1991 admitiu que havia invadido os sistemas da Universidade Nacional da Austrália, o Instituto de Tecnologia Royal Melbourne (RMIT) e a empresa de telecomunicações canadense Nortel.

Acusado de 20 delitos, acabou sendo condenado apenas a pagar uma multa de 2,1 mil dólares australianos –sob a condição de que não voltaria a cometer outros crimes.

Aos 18 anos teve um filho com uma namorada. A disputa pela custódia lhe rendeu cinco anos de batalhas judiciais, sem sucesso.

Junto com a acadêmica Suelette Dreyfus, ele lançou “Underground”, que se tornou best-seller entre internautas, no qual descreve as regras da subcultura hacker.

Em 2006, abandonou os estudos em matemática e física na Universidade de Melbourne e fundou o WikiLeaks, com o objetivo de publicar informações filtradas de "regimes opressores" como China, a antiga União Soviética, a África Subsaariana e o Oriente Médio, sem deixar à margem as "condutas pouco éticas" de países do Ocidente.

O site começou a receber colaborações de várias partes do mundo, se tornando uma fonte segura para delatores. Entre suas revelações estão desde documentos sigilosos sobre a guerra do Afeganistão a mensagens pessoais da ex-candidata a vice-presidente dos EUA Sarah Palin.

O site é mantido por centenas de voluntários e uma equipe de apenas três a cinco colaboradores com dedicação exclusiva. Conhecidos apenas pelas iniciais, eles se comunicam por meio de mensagens criptografadas.

FONTE: G1

Quem é Julian Assange? (Parte 1)

Principal responsável pela divulgação de centenas de milhares de documentos sigilosos, o criador do site WikiLeaks, Julian Assange, tenta manter discrição sobre sua vida, troca de telefone com freqüência, evita cartões de crédito e costuma dar nomes falsos em hotéis.

O pouco que se sabe sobre ele está num longo perfil publicado pelo jornalista Raffi Khatchadourian para a revista americana “New Yorker” em junho, antes de Assange se tornar um dos principais inimigos dos EUA e uma espécie de pop star para internautas e anti-americanos.

Segundo a reportagem, Julian Paul Assange nasceu em 1971 em Townsville, no nordeste da Austrália. O mais provável, no entanto, é que ele tenha nascido em trânsito, já que os pais dirigiam uma companhia de teatro itinerante.

A mãe viveria depois com um músico, com quem teve um segundo filho. Com medo de perder a guarda do filho mais novo, após a separação, ela viveu como nômade com os dois filhos.

Foram cerca de 36 mudanças até os 14 anos de Assange e por conta disso –e também pela crença da mãe de que o estudo formal tornaria os filhos subservientes à autoridade- eles não tiveram um ensino formal.

“Eu gastava o máximo de tempo que podia em bibliotecas indo de um assunto a outro, lendo atentamente todos os livros que eu achava em citações”, contou Assange à revista.
Aos 16 anos, Assange tinha um modem e seu computador foi transformado em um portal. Ainda não existiam websites, mas as redes de computadores e sistemas de telecomunicações estavam suficientemente ligadas para formar uma rede que alguém com grande conhecimento técnico conseguiria invadir.

FONTE: G1

Documento vazado pelo WikiLeaks afirma que Fidel quase morreu em 2006

Documentos diplomáticos secretos dos Estados Unidos divulgados pelo site WikiLeaks afirmam que funcionários do governo americano acreditam que o líder cubano Fidel Castro quase morreu em 2006.

Fontes do governo americano em Havana disseram aos diplomatas que Fidel ficou em estado bastante crítico quando sofreu com um intestino perfurado durante um voo em Cuba.

A doença fez com que Fidel transferisse o poder da ilha para seu irmão Raúl. O estado de saúde de Fidel, que tem 84 anos, é considerado segredo de Estado em Cuba.

Logo que o WikiLeaks começou a divulgar os telegramas, Fidel elogiou o site, dizendo que ele havia humilhado Estados Unidos.

Publicados pelo jornal espanhol El País, os comunicados revelam o intenso esforço dos diplomatas americanos para descobrir detalhes da doença de Fidel e suas chances de recuperação.

As fontes que passaram as informações para os diplomatas não tiveram seus nomes divulgados pelo WikiLeaks. No entanto, os documentos dão a impressão de que são pessoas próximas ao líder cubano ou que tinham acesso a seus prontuários médicos.

Colostomia

Um dos telegramas, enviado em março de 2007 pelo então chefe do escritório de negócios americanos em Havana, Michael Parmly, cita um relato de um médico não identificado quando Fidel ficou doente em 2006.

“A doença começou em um avião que ia de Holguín para Havana”, relata o telegrama. Como era um voo curto e não havia médico a bordo, o avião teve que fazer um pouso de emergência após ter sido verificado que Fidel sofria com uma hemorragia interna.

Imprensa alemã pede para acabar com "criminalização" ao WikiLeaks

As Associações de jornalistas e a imprensa da Alemanha pediram nesta quinta-feira para que acabem com a "criminalização" ao polêmico portal de internet WikiLeaks.

Em comunicado conjunto, os signatários denunciaram o estabelecimento de "qualquer tipo de censura estatal ou privada".

Os meios de comunicação digitais "merecem desfrutar da mesma proteção (legal) que os meios tradicionais", afirmou a carta.

Esta chamada fez referência aos portais e servidores que se negaram nos últimos dias a conceder seus serviços ao WikiLeaks e aos estados e administrações públicas que bloquearam recentemente o acesso à página.

FONTE: Yahoo Notícias

Julian Assange é solto em Londres e diz que continuará trabalho

                    

"Espero continuar meu trabalho e continar a proclamar minha inocência neste caso", disse em uma breve declaração na escadaria do tribunal.

"É fantástico respirar o ar fresco de Londres outra vez", celebrou o australiano.

Fonte: G1

Julian Assange é solto em Londres e diz que continuará trabalho

Apelação contra liberdade condicional para Assange caiu nesta quinta-feira.
Em meio a polêmica sobre vazamentos, Suécia o acusa de crimes sexuais.

O fundador do site de vazamentos WikiLeaks, Julian Assange, foi libertado nesta quinta-feira (16), em Londres, mediante pagamento de fiança.

Ao deixar o tribunal, por volta das 18h locais (16h de Brasília), ele disse que quer continuar seu trabalho e reafirmou inocência.

"Espero continuar meu trabalho e continar a proclamar minha inocência neste caso", disse em uma breve declaração na escadaria do tribunal.

"É fantástico respirar o ar fresco de Londres outra vez", celebrou o australiano.

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, celebra sua libertação ao deixar tribunal nesta quinta-feira (16) em Londres. (Foto: AFP)

Horas antes, a Alta Corte de Justiça de Londres havia decidido pela libertação do australiano, que terá direito a aguardar em liberdade o processo que pode levar à sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais.

A corte poderia manter ou reverter a decisão de uma instância inferior, que havia autorizado na terça-feira a liberdade condicional para Assange sob o pagamento de fiança de 200 mil libras (US$ 317 mil). Promotores representando a Suécia tinham recorrido dessa decisão.

Assange chegou ao tribunal na quinta com ar desafiador, fazendo um sinal de vitória ao descer do veículo policial. Seu advogado, Mark Stephens, se disse confiante na concessão da fiança, e afirmou que seus apoiadores já haviam arrecadado as 200 mil libras da fiança.

O WikiLeaks tem irritado os EUA nas últimas semanas, desde que começou a divulgar mais de 250 mil comunicações secretas da diplomacia norte-americana.
Assange é acusado por duas ex-voluntárias do WikiLeaks de coação sexual e de ter mantido relações com elas sem usar preservativos - o que na Suécia é considerado uma forma leve de estupro. Ele rejeita as acusações e se diz vítima de perseguição política.


Pela decisão da primeira instância, Assange deveria se instalar na mansão rural de um simpatizante, no leste da Inglaterra, e precisaria usar um localizador eletrônico e se apresentar diariamente à polícia.

Christine Assange, mãe do fundador do WikiLeaks, acena para jornalistas em frente ao tribunal nesta quinta-feira (16) em Londres. (Foto: AP)
A promotoria alegou que essas medidas não o impediriam de fugir, e por isso recorreu da liberdade condicional. A extradição propriamente dita deve ser decidida no ano que vem.

Assange e seus advogados não escondem o temor de que ele seja indiciado por autoridades norte-americanas por espionagem. Não ficou claro se a iniciativa de mantê-lo preso partiu das autoridades suecas ou britânicas. A promotoria sueca disse que o caso está nas mãos da promotoria britânica, que por sua vez afirmou defender os interesses do governo sueco no caso.

FONTE: G1

 

BLOG EM MANUTENÇÃO
ALGUMAS IMAGENS OU ARTIGOS PODEM SER ALTERADOS SEM AVISO

OBRIGADO

EUA querem processar Assange por conspiração

A justiça norte-americana está a preparar uma argumentação contra Julian Assange. De acordo com o "New York Times", os procuradores pretendem acusar o fundador do site Wikileaks de conspiração por disseminação de documentos secretos, e já estão à procura de provas.

O "New York Times" escreve ainda que os procuradores pretendem provar que houve contactos entre Assange e um analista dos serviços secretos do exército americano, que terá divulgado as informações - mais de 200 mil telegramas diplomáticos dos EUA.

Se ficar provado que Assange encorajou o analista a procurar informações confidenciais, os EUA poderão acusar o fundador do site Wikileaks de conspiração.

FONTE: Globo

EE UU intenta armar un caso de conspiración contra Assange

La Fiscalía investiga si el fundador de Wikileaks colaboró de forma directa con el soldado que filtró los documentos clasificados

La Fiscalía de EE UU trata de armar un caso contra el fundador de Wikileaks, Julian Assange, para conseguir imputarle un delito de conspiración por la difusión de los documentos secretos del Departamento de Estado. La investigación se centra ahora en si Assange colaboró de alguna forma con el ex analista militar de Inteligencia de las Fuerzas Armadas de EE UU, Bradley Manning, en la sustracción de los documentos, según informa The New York Times.

La investigación se basa en unas declaraciones que Manning hizo en un página web en las que aseguraba que mantuvo varias conversaciones con Assange mediante videoconferencia, jactándose incluso de constituir "una de las fuentes de alto nivel de Wikileaks", según reveló uno de sus confidentes. El Departamento de Justicia estadounidense trata de determinar si Assange actuó como inductor o si llegó a participar de forma activa en la sustracción. En el caso de que se demuestre, Assange podría enfrentar una causa penal por varios delitos, según fuentes cercanas a la investigación, citadas por el diario.

Desde que Wikileaks llevó a cabo sus primeras filtraciones de documentos sobre la guerra de Irak (40.000 archivos) y la misión en Afganistán (77.000 archivos que documentaban 20.000 muertes), la Fiscalía estadounidense estudia la posibilidad de imputar a Assange un delito de violación de la Ley sobre Espionaje de 1917, aunque sin éxito, por lo que estas investigaciones serían la clave para juzgarle en Estados Unidos.
Assange ingresó en prisión el pasado 7 de diciembre en cumplimiento de la orden europea de arresto emitida por Suecia, donde se le acusa de haber cometido varios delitos sexuales contra dos colaboradoras de Wikileaks. Ahora deberá depositar más de 235.000 euros de fianza para poder abandonar la cárcel británica de Wandsworth, a la espera de conocer si finalmente es extraditado al país nórdico.

FONTE: El País

Un tribunal británico confirma la libertad condicional para Assange

El juez rechaza el recurso presentado contra esta decisión.- El fundador de Wikileaks dejará la prisión en las próximas horas

El Tribunal Supremo de Londres ha reafirmado este mediodía, tras una vista de 90 minutos, su decisión de conceder la libertad bajo fianza a Julian Assange, fundador del portal de filtraciones Wikileaks. Assange se enfrenta a una petición de extradición a Suecia acusado de delitos sexuales.

Assange, de 39 años, es requerido por las autoridades suecas en relación con supuestos delitos de agresión sexual cometidos el pasado agosto, que son negados por Assange.

El pasado martes, el tribunal de Westminster le concedió la libertad bajo fianza y exigió el pago en metálico de 200.000 libras (unos 230.000 euros), cifra a la que destacadas personalidades se han ofrecido a contribuir.

Pero la Fiscalía presentó un recurso contra la libertad condicional, por lo que el fundador de WikiLeaks tuvo que volver a la prisión hasta que se resolviera la apelación. El abogado de Assange, Mark Stephens, había expresado su confianza en que su cliente podía obtener la libertad condicional, si bien es "una decisión única del juez".

El juez Howard Liddle, del tribunal de Westminster, había impuesto el martes a Assange una fianza total de 240.000 libras (unos 282.720 euros), de las que 200.000 debían depositarse en metálico mientras que el resto eran garantías o avales.

Assange fue detenido en Londres el pasado 7 de diciembre de acuerdo con una orden europea de detención emitida por Suecia, que le reclama por supuestos delitos sexuales contra dos mujeres. La fiscalía sueca dijo que su requerimiento no tiene nada que ver con la filtración de cientos de miles documentos confidenciales llevada a cabo por Wikileaks.

Los simpatizantes de Assange hablan de una supuesta conspiración política para lograr su entrega a Suecia, mientras EEUU analiza la posibilidad de solicitar su extradición.
Este proceso contra Assange coincide en el tiempo con el llamado cablegate, la filtración de 250.000 cables diplomáticos enviados entre embajadas de EE UU de todo el mundo y el Departamento de Estado de ese país.

FONTE: El País

Julian Assange deve falar ainda nesta quinta com a imprensa

Depois do Tribunal de Westminster, em Londres, manter na manhã desta quinta-feira a liberdade condicional concedida ao fundador do site WikiLeaks, o advogado de defesa Mark Stephens declarou que a saída de Julian Assange da cadeia está prevista para às 15h15 (13h15 em Brasília). Ele também afirmou que tem certeza que Assange vai querer se pronunciar à imprensa antes de seguir para o interior do Reino Unido.

Na última terça-feira ele ganhou da justiça o direito de responder aos processos em liberdade mediante o pagamento de fiança de 200 mil libras. Porém, a Promotoria da Suécia recorreu da decisão para manter Assange detido até a próxima audiência do caso - marcada para 11 de janeiro.

FONTE: SRZD

O WikiLeaks – A Liberdade de Expressão

Laerte Braga

Se você quiser dentes brancos, livres de bactérias e germes, que o tornam apto a pleitear empregos qualificados, ou a triunfar no mundo da sociedade do espetáculo, vai ter sempre um dentista pronto a recomendar determinado creme dental, ou determinada escova para transformá-lo num sucesso.

E todo um aparato tecnológico de propaganda para criar a sensação que você está imune a problemas bucais.

Já saúde pública na área, nem pensar.

Mas se a sua intenção for saber a última fofoca envolvendo figuras da televisão, também não tem problema. A própria mídia privada se encarrega de construir e desconstruir seus "heróis". Batendo às portas a edição de 2011 do Big Brother Brasil, versão nacional de um prostíbulo valendo um milhão de reais.

Tem um detalhe. Se o seu interesse for saber o que acontece de fato em seu país, aí meu caro, é um caminho inglório.

Na cabeça dos donos da mídia, a mídia privada e podre, liberdade de expressão é aquela paga pelo creme dental que deixa dentes brancos e limpos por doze horas e dá a você a sensação que nessa guerra por um lugar num palco imaginário, o seu lugar está garantido.

Sem contar que tem um tal produto que limpa e mata profundamente as bactérias e germes que teimam em permanecer no vaso sanitário de sua casa.

O vaso sanitário de John Lennon foi a leilão e valeu alguns milhares de dólares.

Que nem os tijolinhos que Edir Macedo e sua turma vão vendendo a cada dia para cada incauto, na ilusão de uma grande morada no céu.

Um dos últimos documentos do WikiLeaks sobre o Brasil mostram que o candidato José Serra – derrotado nas eleições presidenciais de outubro – já havia se comprometido com empresas norte-americanas (empresas e governos), a mudar tudo o que está proposto sobre o pré sal. Objetivo? Facilitar os negócios da turma que garante no mundo inteiro a democracia e a ordem. O direito de ter dentes brancos e limpos e vasos sanitários idem.

Corte britânica rejeita recurso e confirma liberdade condicional a Assange

Imagem mostra a chegada de Julian Assange à Alta Corte britânica que julga nesta quinta sua liberdade condicional
O juiz Duncan Ouseley, da Alta Corte britânica, rejeitou o recurso apresentado pela Promotoria da Coroa do Reino Unido e confirmou a concessão de liberdade condicional a Julian Assange, criador do WikiLeaks.

O anúncio do magistrado de segunda instância confirma a decisão do juiz Howard Riddle na última terça-feira (14), que concedia liberdade condicional ao australiano mediante o pagamento de uma fiança de 200 mil libras (cerca de R$ 535 mil).

Mais cedo, ao chegar ao tribunal, Mark Stephens, o advogado de Assange, afirmou que "parece que o dinheiro já está no sistema bancário".


A Justiça aguarda agora a confirmação do recebimento da fiança, mais duas garantias de 20 mil libras, para poder libertar Julian Assange.

Além do pagamento, Assange terá que cumprir uma série de regras, entre elas a entrega de seu passaporte australiano, que ficará em poder das autoridades britânicas.

O criador do site que há duas semanas divulga mais de 250 mil telegramas diplomáticos dos EUA ficou detido por nove dias na prisão londrina de Wandsworth.

Seus advogados reclamaram das condições às quais o ativista estava submetido, em uma cela isolada e sem poder receber correspondências.

A decisão desta quinta-feira concede liberdade provisória a Assange enquanto aguarda um veredicto da Justiça britânica sobre sua potencial extradição à Suécia, país em que enfrenta acusações de assédio sexual e estupro.

FIANÇA


Ainda na terça-feira (14) uma corte de primeira instância, o tribunal de Westminster, em Londres, decidira que Assange poderia ser libertado mediante o pagamento de fiança.

Menos de duas horas depois, o juiz Howard Riddle afirmou que o australiano ficaria ao menos mais dois dias sob custódia, prazo permitido à Promotoria da Suécia para lançar um apelo da decisão.

O juiz alegou que, diferente da semana anterior, quando foi decidido que Assange ficaria preso, o australiano já possuía um endereço confirmado para viver no Reino Unido.

WikiLeaks: Sócrates aprovou uso de Lajes em segredo para voos de Guantánamo

José Sócrates e Luís Amado deram autorização em segredo ao uso da base das Lajes, na Ilha Terceira, para o repatriamento de prisioneiros do centro de detenção norte-americano de Guantánamo. Esta informação foi avançada pela edição electrónica do jornal espanhol «El País», com base em telegramas diplomáticos dos EUA que lhe foram disponibilizados pela WikiLeaks.

Nos telegramas estão expostas as pressões por parte dos EUA sobre o Governo português, assim como a cedência deste.

«Sócrates concordou com a permissão da repatriação de combatentes inimigos desde Guantánamo através da base aérea das Lajes caso por caso», lê-se num dos telegramas link externo do embaixador norte-americano em Lisboa, Alfred Hoffman, com a data de 7 de Setembro de 2007, que foi enviado para Washington.

«Esta foi uma decisão difícil, dado o constante criticismo dos media portugueses e dos elementos esquerdistas do seu próprio partido sobre a forma como o governo têm lidado com os voos de rendição da CIA. A concordância de Sócrates nunca foi tornada pública», refere ainda o documento.

Num outro telegrama link externo, de 2006, era já então dado conta que Hoffman se teria encontrado com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, e abordado este tema. «O ministro disse que iria pressionar com o primeiro-ministro para permitir que as Lajes sejam usadas como um ponto de trânsito na repatriação de detidos de Guantánamo», lê-se no documento, em que é sublinhado que Amado, ouvido pelo Parlamento, disse não ter «conhecimento de qualquer voo da CIA em/sobre Portugal».

Serra nega telegrama vazado

O candidato derrotado à Presidência da República, José Serra (PSDB-SP), nega ter prometido alterar o marco regulatório do pré-sal caso fosse eleito. A carta foi publicada no jornal Folha de S.Paulo, e refere-se a telegramas vazados pelo Wikileaks, em que um diretor da norte-americana Chevron, uma das gigantes do setor no mundo, relatava ter tido esse compromisso do tucano.

"Esclareço que nunca me reuni com a companhia Chevron nem com qualquer outra do ramo", escreveu. "Também não autorizei nenhum 'assessor' a conversar com representantes dessa ou de outras empresas em meu nome ou a interpretar a minha opinião sobre o marco regulatório da exploração de petróleo", detalha.

Serra alega que a declaração não faz sentido pelo fato de que nem todos os quatro projetos de lei que compõem o novo marco regulatório que diz respeito às reservas da camada pré-sal não terem sido aprovados até aquele momento. "Não havia nada para 'mudar de volta'", afirma.

Celso Amorim diz que vazamentos no Wikileaks não afetam diplomacia mundial

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse Ontem (14) que o site Wikileaks não tem influência na diplomacia mundial. Segundo Amorim, a página na internet tem um “forte sabor de fofoca” e não provoca preocupação especial do governo brasileiro com seus documentos oficiais.

“A diplomacia brasileira está muito bem orientada. É claro que é importante cuidar de seus documentos, mas não vejo nada demais no Wikileaks, nenhum motivo para se preocupar especialmente com ele”.

Amorim fez um balanço da diplomacia brasileira no governo de Luiz Inácio Lula da Silva na Comissão de Relações Exteriores do Senado. O ministro defendeu a abertura de embaixadas brasileiras em países pequenos e aparentemente sem importância no contexto mundial.

“No caso das ilhas caribenhas, por exemplo, que as pessoas acham que são pequenas e não têm importância, elas representam 40% dos votos da Organização dos Estados Americanos”.

Ele também valorizou a entrada da Venezuela no Mercosul e disse que a questão já está resolvida no Brasil. Segundo o ministro, não deve haver problemas na votação do Congresso Paraguaio. Falta a aprovação do Paraguai para a entrada dos venezuelanos no bloco.

Amorim disse que não conversou ainda com o futuro ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota, e que voltará a ser um “cidadão comum” a partir do próximo ano. as informações são da Agência Brasil.


Fonte: CORREIO

Hillary anuncia plano de reforma da diplomacia dos EUA

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, anunciou hoje um plano de reorganização da chancelaria norte-americana por meio do qual pretende devolver à diplomacia civil a função de ponta-de-lança da política externa de Washington. Hillary apresentou os resultados de uma ampla análise das operações do Departamento de Estado e da Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (Usaid, pelas iniciais em inglês) realizada com o objetivo de melhor responder às ameaças e às emergências globais.

Pela proposta, o Departamento de Estado passaria a ter um coordenador de segurança cibernética, "para nos proteger e para preservar nossas redes e nossas correspondências confidenciais", declarou Hillary, em uma aparente reação ao vazamento de telegramas diplomáticos dos EUA realizado pelo WikiLeaks ao longo das últimas semanas. O departamento de contraterrorismo da chancelaria também seria ampliado.
O plano prevê ainda a criação, dentro da chancelaria, de departamentos específicos para cuidar de assuntos energéticos internacionais e para lidar com situação de crise e conflito. O Usaid, por sua vez, passaria a ter uma área de planejamento e um setor de ciência e tecnologia.
A reforma também dará aos embaixadores e a outros diplomatas de alto escalão no exterior autoridade para implementar políticas em todas as agências governamentais dos EUA que tenham escritórios em embaixadas e consulados pelo mundo. "Trabalharemos para derrubar as barreiras entre as agências", disse a secretária de Estado. A proposta resulta de uma análise ordenada por Hillary quando ela assumiu a chancelaria norte-americana, no ano passado, e reflete a abordagem do governo Barack Obama de promover a política externa dando ênfase a operações civis.
O custo da reforma não foi revelado. A oposição ao governo norte-americano, que em janeiro assumirá a condição de bancada majoritária na Câmara dos Representantes dos EUA, defende profundos cortes no orçamento do Departamento de Estado e das operações externas de Washington.

Fonte: ESTADÃO

Pará é como o “Velho Oeste”, afirma diplomata dos Estados Unidos

John Danilovich, que foi embaixador dos EUA no Brasil entre 2004-2005, comparou o Estado brasileiro do Pará ao “Velho Oeste” norte-americano, em telegrama diplomático. A revelação foi feita pelo site WikiLeaks e publicada na edição desta quarta-feira do jornal “Folha de S. Paulo”.

“O Pará se parece com a imagem popular do Velho Oeste: isolado, pouco povoado e sem lei", teria dito o diplomata. A afirmação conta em relatos sobre a morte da missionária Dorothy Stang, americana naturalizada brasileira. Ela foi assassinada em uma estrada da cidade paraense de Anapu, em fevereiro de 2005.

Ela teria sido morta por denunciar a grilagem e o desmatamento ilegal na Amazônia. Cinco pessoas foram condenadas pelo crime.

Apesar das declarações pouco elogiosas ao Pará, Danilovich elogia o governo federal pelo empenho em encontrar e punir os responsáveis pelo crime. “foi vigoroso sob qualquer ponto de vista". 



Fonte: eBand
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...